APRENDA A TRABALHAR EM EQUIPE PARA NÃO FICAR FORA DO JOGO

Nunca, em nenhum período da história, se falou tanto sobre o trabalho coletivo, o trabalho em equipe. Ao analisarmos os anúncios de emprego podemos observar que o requisito mais solicitado, independente do cargo em questão, é a capacidade de trabalhar em equipe.

Pesquisas apontam que organizações obtêm resultados significativos quando propõem realizar suas atividades respaldadas nos talentos das equipes. O sucesso destas empresas está diretamente relacionado à capacidade de desenvolverem seus projetos de maneira coletiva, onde envolvem toda a equipe na busca de soluções para os problemas, garantindo o comprometimento de todos na obtenção dos resultados desejados.

É importante ressaltar que, quando se fala em trabalho de equipe, fala-se em maior volume de atividades, mais responsabilidade, flexibilidade, colaboração e esforço pessoal, detalhes que acabam sendo descobertos a cada novo dia de trabalho. Entretanto, como benefício, uma empresa que busca desenvolver o trabalho em equipe, de forma coesa, percebe o aumento da criatividade, cumplicidade, questionamento de posições, senso crítico e uma maior motivação dos colaboradores.

Trabalhar em equipe significa compartilhar uma direção comum. Além disso, atividades desenvolvidas em conjunto são encorajadoras, aumentam o desempenho, transmitem autoconfiança e estimulam a habilidade e a união, características primordiais para o sucesso nas organizações. Porém, mesmo diante de tantas evidências a favor desta forma de trabalho, ainda encontramos pessoas que insistem em obter resultados de forma isolada.

Imbuídas de sua vaidade pessoal, do orgulho próprio, da prepotência, acreditam serem autossuficientes em suas ações. Segundo Jung, pai da psicologia analítica, este comportamento pode ser identificado como inflação do ego, levando-as a acreditarem que não precisam relacionar-se com ninguém, já que elas se bastam a si mesmas. Mas, será possível que pessoas com esse tipo de comportamento sobrevivam no mundo dos negócios?

Sabemos que o mercado está escasso para esse tipo de profissional. Líderes e colegas de trabalho em geral têm muita dificuldade em conviver com pessoas assim e, quando se faz necessária a convivência, mantêm relacionamentos superficiais e utilizam subterfúgios para isolá-las ainda mais dos processos decisórios, pois sabem que a presença deste tipo de profissional não contribui para o resultado da equipe.

Cego em sua vaidade, orgulho e falsa modéstia, sempre que pode deixa transparecer que sua verdade é absoluta, se mostrando surdo às opiniões a sua volta.  Assim, convencer alguém com estas características da necessidade de se transformar é tarefa difícil. Ninguém muda ninguém. Só a própria pessoa é capaz de assim fazer, depois de reconhecer que é preciso modificar seu comportamento para se adaptar a este novo contexto.

Por desejo ou por necessidade, há a exigência de que aceitemos desenvolver o nosso espírito de equipe. O “eu” sozinho é limitado de recursos, tempo e conhecimento. Por isso, asseguro que a melhor forma de se desenvolver, de buscar o crescimento pessoal e profissional, é ter a humildade de pedir ajuda ao outro.

É urgente a necessidade que todos temos de aprender a trabalhar em equipe. É preciso que, no mundo dos negócios, essa ferramenta seja cada vez mais utilizada. É necessário maximizar o potencial de cada pessoa, aprender a conviver com as diferenças e extrair o melhor da diversidade existente em cada ser humano. Temos que nos convencer que trabalhando em equipe teremos mais chances reais de superarmos nossos limites.

Para isso, seguem algumas dicas de como conviver em equipe nas organizações:

  • Defina claramente a missão, os valores da empresa e os objetivos da equipe. É necessário estabelecer qual é o negócio da sua equipe, onde se encontra exatamente a linha da chegada. Formalize o que se espera de cada um dentro da organização e, da mesma forma, defina minuciosamente o “como agir” diante dos papéis a serem ocupados. Quanto mais claras estiverem as estratégias, táticas e responsabilidades, melhor.
  • Estabeleça transparência e confiança nas relações entre os membros da equipe e a alta direção e vice-versa. Os melhores talentos preferem trabalhar em empresas com líderes que realmente acreditam e praticam estas palavras.
  • Se for errar, erre pelo excesso de comunicação, não pela sua falta.
  • Elimine as “panelinhas” e “estrelas”, onde a vaidade e o orgulho prevalecem nem é preciso comentar os resultados finais. Tais contextos ameaçam o sucesso de qualquer equipe e empreendimento.
  • Aposte na prática do pensar coletivo. Quando houver necessidade de busca de solução para algum problema, busque fazê-lo de maneira coletiva, estimulando a equipe a trabalhar em conjunto. Uma solução conseguida, em conjunto, garante o comprometimento de todos na sua execução.
  • Respeito à individualidade. Equipes são formadas por indivíduos. Cada qual com sua história de vida, formação, experiências e muitas outras características diferentes. Sendo assim, é importante conscientizar e preparar as pessoas, para que convivam e tirem o máximo de proveito desta diversidade.
  • Comprometimento e geração de valor. Equipes com grande número de pessoas tendem a fragmentar-se. É preciso evitar aquelas equipes, do nosso tempo de escola, onde dois faziam o trabalho e quatro ficavam olhando. A questão aqui é: o que cada membro de sua equipe está produzindo de valor, ou seja, o que ele realmente está acrescentando à equipe.
  • Reconheça a performance de cada colaborador em sua empresa. É fundamental valorizar cada um pela sua contribuição diária, no resultado final.

Precisa mudar seu comportamento?

O que tem feito para isso?

Fale com a gente.

Sandra Faria

vempracontarh #atendimentoonline #atendimentopresencial

 

Compartilhe nas redes sociais

Deixe um comentário