PRESSÃO X RESULTADO: QUAL É O PREÇO A SE PAGAR?

sobreviver-pressao-trabalhoO cenário de momentos de pressão é comum a todas as empresas, seja qual for o seu segmento. Apesar de ser necessário, o que merece nossa atenção é como esses momentos de pressão afetam os profissionais. Os fatores de pressão atingem as pessoas de maneiras diferentes, o que explica porque alguns se sentem mais afetados que outros, diante de uma mesma situação na empresa.

Vários são os ambientes que convivem diariamente com a pressão: familiar, esportivo, político, econômico, empresarial etc. Em se tratando de um mundo competitivo, que exige resultados cada vez mais rápidos e melhores, vamos nos ater ao ambiente corporativo, em especial, uma vez que ele tem sentido, com intensidade, as consequências disso.

Uma das principais fontes de pressão vem dos próprios gestores que, para obterem resultados de sua equipe, se veem obrigados, em determinados momentos, a “cobrar” com maior intensidade. Eles acreditam que realizar um acompanhamento mais contundente fará com que a equipe apresente resultado mais rápido. O que a maioria não sabe é dosar esses momentos de cobrança mais coercitiva, exagerando na dose e levando a equipe à exaustão.  Uma vez exauridas as energias os profissionais tendem a adoecer e aí sim, comprometer o resultado esperado.

Cabeça explosão JPEGSendo assim, considerando que momentos de pressão se mostram às vezes necessário na obtenção de resultados, o que cabe aos gestores e suas equipes é decidirem juntos, a melhor forma de lidar com eles, para que não se transformem em
ameaças.
Sabemos que as pessoas têm estruturas psicológicas diferentes para se adaptarem a momentos de maior cobrança por resultado, mostrando comportamentos diferenciados de acordo com a sua forma de encarar as pressões. Desta forma, à medida que a situação de pressão aumenta, tende a aumentar o nível de atenção e prontidão. Conforme o nível de pressão aumenta, a sensação de tensão cresce, aumentando, também, o número de exigências e, em muitos casos, adoecendo as pessoas.

Alguns da equipe podem reagir ficando irritados e arredios, outros simplesmente desistem, não conseguindo mais buscar sua energia. Esses comportamentos são involuntários e acontecem, mesmo que saibam que isso não vai ajudar em nada a redução da pressão, mas, com certeza, afetarão os resultados.

maxresdefault

Quando o profissional está sob intensa pressão são comuns alguns sintomas psíquicos como a irritabilidade, angústia, raiva e depressão e também sintomas físicos como dor de estômago, músculos do pescoço, ombros e dores no peito. Essa sensação de desconforto e prostração do corpo e da mente pode ser uma das maneiras do organismo dizer que está chegando ao seu limite.

Diante disso, podemos supor que há ganhos provenientes de ambientes de pressão mas, também, há perdas, que se não forem enfrentadas, podem levar a estragos irreversíveis.

Entender o comportamento dos profissionais que fazem parte de sua equipe e avaliar suas reações diante dos processos de maior cobrança parece ser a postura mais acertada para que os gestores saibam administrar a pressão, no dia a dia, garantindo que ela possa ser bem empregada, evitando, assim, que se transforme em vilã, adoecendo sua equipe e levando-a à exaustão.

 

Sua forma de fazer gestão tem levado sua equipe à exaustão?

Carla Limongi

Sandra Faria

 

Compartilhe nas redes sociais

Deixe um comentário

Mais em Nosso negócio é gente...
resiliencia
Resiliência: Por que não eu?

O conceito de resiliência vem sendo bastante valorizado atualmente, por...

Fechar